Fecha a torneira, por favor! – Parte I

Reading time: 4 minutes

Vejo diversas pessoas e gestores falando sobre a importância de se gerar resultado.
No mundo corporativo exige-se da empresa inteira resultado, numa cadeia que vai do presidente ao estagiário.

Mas o que é de fato gerar resultado? Esta pergunta parece ser de uma resposta óbvia, mas seu entendimento é fundamental para seu real alcance.
No caso de uma empresa, seu principal objetivo é gerar lucro aos acionistas. Neste contexto, resultado será a geração de lucro.

Contudo, resultado poderia ser aplicado em qualquer contexto: em um departamento, na sua vida pessoal, em família, entre amigos, ou para qualquer contexto em que se tenha um objetivo. Desta forma, podemos dizer, então que “resultado” carrega implicitamente o alcance de um objetivo, ou a “abreviação” do termo resultado esperado. Nossas vidas também estão inundadas de cobranças por resultados… Será que sabemos os elementos básicos para alcançar nossos objetivos? Seria correto afirmar que quem não mede não gerencia?

Extrapolando um pouco a gestão empresarial, se observarmos à nossa volta com certeza iremos encontrar exemplos de metas. O final do ano especificamente está cheio! Mas nem precisa esperar tanto tempo. Há mais ou menos 6 meses o síndico do prédio em que moro colocou um cartaz no elevador solicitando a todos que diminuíssem o consumo de água. Obviamente ele não mencionava qual apartamento estava consumindo mais, porém, se ele quisesse, poderia ter acesso à informação.
Passaram-se 3 meses e nenhuma melhora. O cartaz foi colocado novamente, com letras maiores e texto mais agressivo. Dessa vez além disso, alguns panfletos sobre a importância de se economizar água também foram distribuídos. Cerca de 2 meses depois, uma pequena redução. Da minha parte, mesmo antes das campanhas, já tinha como hábito fechar a torneira enquanto escova os dentes, se ensaboa, lava a louça, etc… E o engraçado foi que em contato com uma vizinha, de boa formação e esclarecida, ao comentar sobre um dos principais assuntos paulistanos dos últimos meses, a sua expressão de ‘espanto’ ao saber que era preciso se ensaboar com o chuveiro desligado, se quisesse realmente economizar água. E reduzir o tempo de banho também ajuda. Mas as pessoas AMAM ficar embaixo do chuveiro depois de um dia cheio de problemas… é um momento relax. Pois é! Mas para relaxar existem outras formas mais econômicas. Argumentei então que, em média, o consumo de um chuveiro elétrico é de 9 litros por minuto. Assim, uns 15 minutos de banho com o chuveiro ligado consomem 135 litros!!! E se ficar 5? São 45 litros… Ainda sim pode ser bastante, se pensar que em uma banheira de neném cabem geralmente 20 litros. São pouco mais de 2 banheiras. Ou uma piscininha inflável de criança, de 45 litros também. Ao tomar consciência disso ela resolveu mudar. E então pensei: quantas pessoas no condomínio, apesar dos cartazes, e da meta de redução de 30% do consumo não mudou nenhum hábito sequer!
Eu já participei de retiros em florestas, em lugares em que era preciso tomar banho no rio, se enxaguando com cumbuca… então sei que é possível reduzir até os 45 litros. Mas só intercalando o uso de enxague já seria suficiente. Pois bem… fazer a conta ajuda. E muito!!!!

Apesar de ter pego como exemplo o problema da água, esta capacidade de fazer contas não é algo muito natural em muitas pessoas e… pasmem! Em muitos gestores também não é… Muitas metas, muitos projetos, muitos sonhos deixam de ser realizados por não ‘se fazer a conta’. Seja de tarefas, seja de resultados mensuráveis. Este post é o Parte I, porque no II irei falar mais sobre metas, esforços e trabalhos que vão pelo ralo abaixo…
Para finalizar com a dica da semana. O que você tem a cumprir este ano? Pegue alguma meta, seja profissional ou pessoal, que tenha se proposto a fazer no início do ano. Não estou pedindo todas. Apenas uma! Com certeza desejou alguma coisa para este ano, não é mesmo? Tire um momento sozinho e meça o quanto já caminhou e o quanto falta ainda para alcançar…. Você está longe ou perto? Ficaria grata se compartilhasse comigo (e também com outros leitores) o que descobriu.

Um abraço e boa semana!
Larissa Andrade

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>